Probiotic Supplements and Their Connection to Longevity

Suplementos Probióticos e a sua Relação com a Longevidade

Um estudo científico recente publicado na Nature, estudou a população singular da cidade chinesa de Jiaoling, cujo número de pessoas com mais de 100 anos é surpreendentemente elevado. Os seus habitantes também têm uma dieta regional específica, pelo que o objetivo do estudo era investigar a microbiota intestinal, ou seja, a população de bactérias e outros microrganismos nos seus sistemas gastrointestinais1.
As bactérias do género Lactobacillus foram destacadas como poderosas impulsionadoras antioxidantes da saúde humana em idades mais avançadas, e levantaram a questão: devemos tomar mais suplementos probióticos para promover a saúde intestinal; de modo a termos uma vida mais longa e saudável?

Suplementos probióticos - o que são?

Os suplementos probióticos são normalmente microrganismos encapsulados, liofilizados e vivos que são libertados no nosso organismo, com o objetivo de repor a nossa microflora intestinal. A definição oficial da Food and Drug Administration e da Organização Mundial de Saúde para probióticos é "microrganismos vivos que, quando administrados em quantidades adequadas, conferem um benefício para a saúde do hospedeiro". Presentes não só em comprimidos, mas também numa variedade de produtos alimentares como iogurtes, gelados, sumos, cereais ou barras nutricionais.
Em qualquer altura, uma pessoa com peso/altura médios terá até 7 quilogramas de microrganismos no seu corpo, a maioria dos quais vive no intestino. Estes microrganismos são maioritariamente bactérias e algumas espécies de leveduras, que vivem em simbiose connosco. São as chamadas "bactérias boas", que não causam infecções e que, na realidade, nos proporcionam benefícios como a produção de vitaminas e a absorção de nutrientes. Também regulam o equilíbrio entre os microrganismos "bons" e "maus", que normalmente é perturbado pela toma de antibióticos, por uma intoxicação alimentar ou por uma gripe. Ajudam também na intolerância à lactose e na diarreia infecciosa.
Por diversas razões, poderá ter de recorrer a suplementos de probióticos. Estes estão disponíveis em quase todo o lado e contêm várias espécies de probióticos em concentrações elevadas. Alguns dos tipos mais comuns encontrados nos probióticos são Lactobacillus eBifidobacterium2.

A relação entre os suplementos probióticos e a longevidade

Os suplementos probióticos, para além de oferecerem benefícios para a saúde relacionados com questões alimentares ou com antibióticos, podem comprovadamente ajudar em doenças como o cancro e as doenças cardiovasculares. É o que dizem estudos realizados em organismos modelo (minhocas, ratos e ratazanas). Há alguns anos atrás, foi também provado que a composição genética microbiana pode influenciar a longevidade do hospedeiro (em vermes), e o ajuste fino da composição microbiana intestinal e da genética do hospedeiro pode ser a resposta para a proteção contra doenças relacionadas com a idade3.
Estudos efectuados em organismos-modelo de peixes, moscas e abelhas, mostraram que os metabolitos microbianos e as diferentes composições da flora intestinal desempenham um papel na longevidade1.
Outros estudos em modelos animais mostraram também que os microrganismos intestinais isolados de centenários saudáveis ( pessoas com mais de 100 anos) aumentaram a função imunitáriaemratinhos4. A questão que se coloca é se o transplante do microbioma intestinal, que também pode ocorrer mediante transplantes fecais, pode aumentar a longevidade das pessoas que recebem o transplante. Estas abordagens já foram realizadas em casos de doença inflamatória intestinal, síndrome do intestino irritável, obesidade, diabetes tipo 2, síndrome metabólica e cancro colorrectal, bem como infeção por C. difficile5. Em todos estes casos, os resultados foram muito promissores, mas nenhum deles foi associado à longevidade - embora tenham aumentado o estado de saúde dos receptores.
Por fim, estudos em seres humanos revelaram o seguinte:

  • os centenários da China têm mais bactérias Escherichia e Roseburia, e menos Lactobacillus, Faecalibacterium, e Parabacteroides (e outras) do que as pessoas mais jovens (6),
  • em comparação com os adultos mais jovens, os centenários têm um microbioma intestinal único, rico em microrganismos capazes de produzir ácidos biliares secundários únicos7,
  • os centenários da Sardenha têm menos Faecalibacterium e Eubacterium, mas mais Methanobrevibacter e Bifidobacterium do que as pessoas mais jovens8.

O mais recente estudo da Nature, mencionado na introdução, mostrou que os centenários de Jiaoling, na China, apresentam uma maior diversidade microbiana do que as pessoas mais jovens da mesma região. Apresentavam também um maior número de bactérias Lactobacillus e um menor número de bactérias oportunistas do que os mais jovens. Os centenários também tinham mais Methanobrevibacter do que as pessoas mais jovens, como já foi comprovado por alguns estudos anteriores. Este e outros estudos sobre pessoas centenárias revelaram a abundância de bactérias Lactobacillus. Isto pode apontar para uma composição microbiana intestinal específica responsável por uma saúde prolongada e ligada a uma maior longevidade. Curiosamente, os lactobacilos encontram-se em quase todos os suplementos probióticos e são geralmente considerados "bactérias boas".
Para concluir, a flora intestinal é muito importante para a nossa saúde em geral e os suplementos probióticos apresentam um grande potencial. Estes suplementos proporcionam-nos muitos benefícios. As bactérias Lactobacillus podem ser as mais úteis no que diz respeito à promoção do tempo de vida, mas a suplementação (com estudos de acompanhamento) ainda não foi testada em seres humanos. Apenas alguns estudos foram realizados em seres humanos relativamente aos microrganismos probióticos que podem ser benéficos ou estar presentes em pessoas que vivem mais tempo. Na realidade, estes estudos não são suficientes para concluir se os suplementos podem ou não afetar o envelhecimento.

Suplementos probióticos - segurança e dosagem

Os suplementos probióticos são geralmente considerados seguros e raramente causam efeitos secundários. Em alguns casos, é possível desenvolver uma erupção cutânea ou uma reação alérgica a espécies específicas do suplemento, mas essa situação é bastante rara. Uma pessoa com um sistema imunitário comprometido poderá sentir alguns efeitos secundários gastrointestinais, até que o equilíbrio intestinal se restabeleça, mas não existem registos de efeitos secundários mais graves.
Também não existe uma dosagem definida, uma vez que existem tantas espécies diferentes de probióticos e formulações de suplementos. A maior parte deles terá como alvo algo entre 1 e 10 mil milhões de UFC (unidades formadoras de colónias, ou seja, número de bactérias viáveis numa amostra) de suplementos de estirpe única, e até 20 mil milhões, se o suplemento contiver várias estirpes de microrganismos9. A melhor opção para determinar a sua dosagem ideal é consultando um médico ou farmacêutico sobre as suas necessidades específicas.

Literatura:

  1. Wu, L., Xie, X., Li, Y. et al. Microbiota intestinal como um sistema antioxidante em centenários associados a altas atividades antioxidantes de Lactobacillus residentes no intestino. npj Biofilms Microbiomes 8, 102 (2022). https://doi.org/10.1038/s41522-022-00366-0.
  2. Kechagia M, Basoulis D, Konstantopoulou S, Dimitriadi D, Gyftopoulou K, Skarmoutsou N, Fakiri EM. Benefícios dos probióticos para a saúde: uma revisão. ISRN Nutr. 2013 Jan 2;2013:481651. doi:10.5402/2013/481651.
  3. Han B, Sivaramakrishnan P, Lin CJ, Neve IAA, He J, Tay LWR, Sowa JN, Sizovs A, Du G, Wang J, Herman C, Wang MC. Microbial Genetic Composition Tunes Host Longevity (Composição genética microbiana ajusta a longevidade do hospedeiro). Cell. 2017 Jun 15; 169 (7): 1249-1262.e13. doi: 10.1016 / j.cell.2017.05.036. Errata em: Cell. 2018 May 3;173(4):1058. PMID: 28622510.
  4. Yang HY, Liu SL, Ibrahim SA, Zhao L, Jiang JL, Sun WF, Ren FZ. A administração oral de substratos vivos de Bifidobacterium isolados de centenários saudáveis melhorou a função imunitária em ratinhos BALB/c. Nutr Res. 2009 Apr;29(4):281-9. doi: 10.1016/j.nutres.2009.03.010.
  5. Nagpal R, Mainali R, Ahmadi S, Wang S, Singh R, Kavanagh K, Kitzman DW, Kushugulova A, Marotta F, Yadav H. Gut microbiome and aging: Physiological and mechanistic insights. Nutr Healthy Aging. 2018 Jun 15; 4 (4): 267-285. doi: 10.3233 / NHA-170030.
  6. Wang F, Yu T, Huang G, Cai D, Liang X, Su H, Zhu Z, Li D, Yang Y, Shen P, Mao R, Yu L, Zhao M, Li Q. Comunidade de microbiota intestinal e sua montagem associada à idade e dieta em centenários chineses. J Microbiol Biotechnol. 2015 Ago;25(8):1195-204. doi: 10.4014/jmb.1410.10014.
  7. Sato, Y., Atarashi, K., Plichta, DR et al. Novas vias biossintéticas de ácidos biliares são enriquecidas no microbioma de centenários. Natureza 599, 458-464 (2021). https://doi.org/10.1038/s41586-021-03832-5.
  8. Wu L, Zeng T, Zinellu A, Rubino S, Kelvin DJ, Carru C. Um estudo transversal de perfis composicionais e funcionais da microbiota intestinal em centenários da Sardenha. mSystems. 2019 Jul 9;4(4):e00325-19. doi: 10.1128/mSystems.00325-19.
  9. Miller, K., Ferira, AJ Que quantidade de probióticos você precisa por dia? Seus Q's de dosagem respondidos. MBG Saúde. 2022.
Powrót do blogu

Zostaw komentarz

Pamiętaj, że komentarze muszą zostać zatwierdzone przed ich opublikowaniem.

Featured collection

1 z 3